quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Mensagem de Bezerra de Menezes (Psicografia: Divaldo Franco - 21/08/16)

Vós tendes ouvido, nestes dias em que aqui estivesses, a mensagem profunda da imortalidade da alma. 

Vós participastes deste banquete de luz e vos iluminastes com a evocação da mensagem imorredoura de Jesus, esculpida em vossos corações. 

Não postergueis o momento grandioso do serviço com o qual estais comprometido. 

Jesus vive no âmago do nosso ser e espera que Lhe sejamos fiéis. 

Não é a primeira vez que firmamos um compromisso de servi-Lo e fracassamos terrivelmente, olvidando-nos da Sua mensagem de fraternidade, para que o ego destruidor levasse-nos aos descalabros morais. 

Não é a primeira vez que Ele falou à acústica das nossas almas e, nada obstante, fascinados pela sua ternura, descestes ao abismo do prazer, enganoso e rápido, olvidando-nos de O servir. 

Novamente Ele volta através dos imortais que estão precedendo como um exército ou como se as estrelas dos céus descessem à Terra para iluminar a grande noite e o Comandante do Amor viesse logo após. 

Espíritas eis que vos foi dito "amai", eis que vos é repetido "instruí-vos", porém acima de tudo, que vos dediqueis a servir. 

Jesus espera por nós. Da mesma forma que temos necessidade Dele, Ele necessita de que a nossa voz O leve àqueles que são ocos à verdade ou são paralíticos à ação do bem. 

Não mais amanhã, hoje! 

Agora é o momento certo de ajudar. 

Levantai-vos do estado de marasmo e plantai a cruz do gólgota, deixando-vos abraçá-la do testemunho do amor. 

Não mais o circo, com as suas paredes defensivas. Agora é a humanidade! Não mais as feras esfaimadas. 

São as vossas paixões que vos excruciam e que a todos nós atormentam. 

Sublimemos, juntos, os nossos sentimentos, para podermos corresponder-Lhe a expectativa de amor. 

Ide de retorno aos vossos lares e aplicai o bálsamo consolador da verdade que hora possuís e que, se não puderdes fazer muito, fazei o que podeis, porque aquele que faz o que pode, faz o máximo. 

Mas ninguém é tão destituído de amor que não pode sorrir, que não pode distender a mão trêmula ao combalido do chão, que não pode repetir a parábola do bom samaritano colocando o bálsamo na ferida aberta que os ladrões do nosso passado espiritual atiraram-nos no caminho entre Jerusalém e a baixa região. 

Ide e Jesus irá convosco; e agradecei a Ele, nosso zênite, nosso nadir, assumindo a honra de O amar e de O conhecer.

Do vosso servidor humílimo e paternal de sempre,

Bezerra de Menezes.

Muita paz meus filhos!

(mensagem recebida pela psicofonia do médium Divaldo Pereira Franco, no encerramento do congresso da Associação Médica-Espírita de MG, no Hotel Dayrell, em Belo Horizonte, no dia 21/08/16)

segunda-feira, 22 de agosto de 2016


Jesus Cristo (Richard Simonetti)

HOUVE REENCARNAÇÕES ANTERIORES DE JESUS?

Jesus, para alcançar sua evolução, reencarnou muitas vezes como qualquer outro Espírito, mas, isso ocorreu em outro planeta. Quando estava em grau elevado de evolução, recebeu a incumbência de ser o governador de nosso planeta. Ele participou da formação da Terra e aqui viveu uma única encarnação.

NÃO ERA, ENTÃO, VINCULADO À HUMANIDADE? 

Ninguém mais vinculado que ele. É, conforme revela Emmanuel, em A Caminho da Luz, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ele é o governador de nosso planeta. Tem a tarefa de conduzir as coletividades que aqui evoluem.

DESDE QUANDO? 

Segundo Emmanuel, desde que a Terra desprendeu-se do Sol, massa de fogo incandescente, há aproximadamente 4 bilhões e quinhentos milhões de anos. Preposto de Deus, Jesus foi convocado pelo Criador para essa elevada missão.

ENTÃO ELE NÃO FOI CRIADO PURO E PERFEITO? 

Seria injustiça Deus criar Espíritos puros e perfeitos, enquanto nós outros, na Terra, vimos labutando (trabalhando) há milênios. Jesus está onde chegaremos um dia, mas esteve, um dia, onde estagiamos hoje. Viveu seu aprendizado alhures, em outros mundos.

HÁ QUEM DIGA QUE JESUS EVOLUIU EM LINHA RETA, SEM OS DESVIOS QUE CARACTERIZAM O COMPORTAMENTO HUMANO. NÃO ESTARIA AÍ A ORIGEM DE SUA ELEVADA POSIÇÃO JUNTO AO CRIADOR? 

Os desacertos fazem parte de nosso aprendizado. Aprendemos com os próprios erros, observada a lei de causa e efeito. Um Espírito a “subir em linha reta” sugere que não foi criado simples e ignorante, como está em O Livro dos Espíritos; pressupõe que há algo que o distingue dos demais. Isso é tão absurdo quanto a teoria das graças, da teologia ortodoxia, segundo a qual Deus teria seus eleitos.

SE JESUS É O NOSSO GOVERNADOR, ESPÍRITO PURO E PERFEITO, PREPOSTO DE DEUS, POR QUE DEIXOU SUAS ELEVADAS ATRIBUIÇÕES E SUBMETEU-SE ÀS LIMITAÇÕES IMPOSTAS PELA ENCARNAÇÃO? NÃO PODERIA ENVIAR MENSAGEIROS QUE ORIENTASSEM A HUMANIDADE EM SEU NOME?

Isso ele tem feito sempre. Os Espíritos iluminados que vêm à Terra, vanguardeiros do Bem e da Verdade, são enviados seus, a pontificarem no seio de todas as culturas e de todas as religiões.

POR QUE ELE VEIO? 

A mensagem cristã sintetiza-se no Amor, lei suprema de deus. Foi o momento culminante na história humana. Natural, portanto, que o governador do planeta decidisse trazê-la pessoalmente, a fim de apresentá-la e exemplificá-la em plenitude.

NÃO SERIA OPORTUNO JESUS ENCARNAR JUNTO AOS QUE DETINHAM OS PODERES DO MUNDO? COMO FILHO DE CÉSAR POR EXEMPLO, NÃO HAVERIA MAIOR FACILIDADE PARA FAZER ECOAR SUA MENSAGEM NA ALMA DOS POVOS?

É inútil fazer propaganda do amor ou pretender impô-lo de cima para baixo, a partir das cátedras e dos palácios. Para ser disseminado ele pede a força do exemplo e infinita capacidade de doar-se em favor do bem comum. Foi junto ao povo, vivendo seus dramas, condoendo-se de suas limitações, que Jesus pôde demonstrar a força redentora do amor. Por isso, será lembrado para sempre como a figura maior da Humanidade, alguém muito grande que se fez pequeno para ensinar que amar é sinônimo de servir.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016


A Água Fluida (Emmanuel)

"E qualquer que tiver dado só que seja um copo d‘água fria por ser meu discípulo, em verdade vos digo que, de modo algum, perderá o seu galardão". Jesus (Mateus 10:42)

Meu amigo, quando Jesus se referiu ao copo de água fria, em seu nome, não se reportava apenas a compaixão rotineira que sacia a sede comum.

Detinha-se o Mestre no exame de valores espirituais mais profundos.

A água é dos corpos mais simples e receptivos da Terra. E como que a base pura em que a medicação do céu pode ser impressa através de recursos substanciais de assistência ao corpo e à alma, embora em processo invisível aos olhos mortais.

A prece intercessória e o pensamento de bondade representam irradiações de nossas melhores energias. A criatura que ora ou medita, exterioriza poderes, emanações e fluidos que, por enquanto, escapam à analise da inteligência vulgar, e a linfa potável recebe-nos a influenciação, de modo claro, condensando linhas de força magnética e princípios elétricos que aliviam e sustentam, ajudam e curam.

A fonte que procede do coração da Terra e a rogativa que flui do imo d’alma, quando se unem na difusão do bem, operam milagres.

O espírito que se eleva na direção do Céu é antena viva captando potenciais de natureza superior, podendo distribuí-las a beneficio de todos os que lhe seguem a marcha.

Ninguém existe órfão de semelhante amparo.

Para auxiliar a outrem e a si mesmo bastam a boa vontade e a confiança positiva.

Reconheçamos, pois, que o Mestre, quando se referiu à água simples, doada em nome de sua memória, reportava-se ao valor da providência a beneficio da carne e do espírito, sempre que estacione através de zonas enfermiças.

Se desejas, portanto, o concurso dos Amigos Espirituais, solução de tuas necessidades fisiopsíquicas ou nos problemas de saúde e equilíbrio dos companheiros, coloca o teu recipiente de água cristalina, à frente de tuas orações, espera e confia.

O orvalho do Plano divino magnetizará o liquido, com raios de bênçãos, e estará então consagrando o sublime ensinamento do copo de água pura, abençoado nos Céus.

Emmanuel;
Psicografia: Francisco Cândido Xavier;
Do livro: Segue-me.
(Mensagem recebida em sessão pública na noite de 05.06.1950, em Pedro Leopoldo)